em qualquer lugar

miacouto01.jpgUm rio chamado tempo, uma casa chamada terra, livro do moçambicano Mia Couto que vou lendo agora, é desses que, no modo de narrar os fatos, descrever as pessoas, lugares e tramas, amplia as margens e possibilidades da própria língua. Não é à tôa que Mia Couto é situado pela crítica entre Guimarães Rosa e José Saramago.

Veja nesse trecho como ele trata o desprezo que políticos contemporâneos, de qualquer lugar, inspiram nas pessoas comuns:

“Cruzamo-nos com um luxuoso automóvel enterrado no areal. Quem traria viatura da cidade para uma ilha sem estrada?

Olha, é o Tio Ultímio! – e acenam.

Meu Tio Ultímio, todos sabem, é gente grande na capital, despende negócios e vai politicando consoante as conveniências. A política é a arte de mentir tão mal que só pode ser desmentida por outros políticos. Ultímio sempre espalhou enganos e parece ter lucrado, acumulando alianças e influências. No entanto, ele ali se apresenta frágil, à mercê de uma pobre mão. No tractor comentam vastamente o carro afocinhado, rodas enfronhadas na areia. Mas não param. Ainda há alguns que insistem nos deveres solidários. Mas Fulano Malta é terminante:

Ele que se desenterre – é sua arreganhada sentença.”

O livro, enfim, é poesia pura tratando do indigesto tema da morte e do vazio afetivo das ambiciosas elites. Até virou filme, mas pelo que consta, não agradou.

Anúncios

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s