filosofia do batuque

acorda povoAcorda Povo é uma festa religiosa que tem origem na cultura escrava do Nordeste. Os fiéis começavam a ganhar as ruas nas primeiras horas de 23 de junho, e ao toque de tambores, danças e cantorias, marchavam em comemoração a São João.

O cortejo tinha como objetivo acordar o povo para participar da comemoração, e a festa acabava ao amanhecer do dia com muitas brincadeiras.

Em Carapicuíba-SP, o objetivo do grupo Acorda Povo é praticamente o mesmo dos festejos nordestinos.

“Chamamos o povo não para celebrar São João, mas para acordá-lo das injustiças sociais, da violência, do preconceito, do racismo e da desigualdade. Acreditamos em uma democracia”, filosofa Moxé.

As letras, todas compostas pelos integrantes do Acorda Povo, reivindicam melhorias no sistema político e social do País. “Os políticos tiveram a oportunidade de estudar, chegaram ao poder e nada fazem por nós. Precisam assumir seus cargos com responsabilidade”.

O vocalista mudou-se para São Paulo há pouco mais de cinco anos. Teve uma infância difícil em Recife, chegando a morar na rua. Hoje, ensina capoeira, artes e música aos jovens pobres de Carapicuíba.

“A música, a vontade de fazer música e de seguir essa tradição é que nos tirou dos caminhos ruins da vida”, afirma Obará. “Ainda existe muito preconceito, discriminação. Só continuamos porque há pessoas que acreditam em nós e nos dão apoio", explica Badia.

Músicas

As canções do Acorda Povo são carregadas de protestos contra o sistema, a pobreza, a desigualdade e ao preconceito contra as minorias.

Em ‘Catimbó', Moxé procura passar um pouco da vida difícil que teve nas ruas de Recife, e abre a música com uma verdadeira declaração de amor ao que faz:

“Minha religião é o amor,
minha filosofia é o tambor”
.

Fonte: CotiaTodoDia

4 pensamentos sobre “filosofia do batuque

  1. Acorda Povo é pura zoeira com Maracatu. Escutei as músicas pela net (no link citado) e as batidas me fizeram imaginar os caras passando pelas ruas e arrastando gentes nas cantorias. Nada a ver com salão, ambiente fechado.

    Entrei agora no overmundo, tipuri, e de lá trouxe essa frase pra você: “Maria Pankararu, natural de Taracatu, em Pernambuco…

    A matéria trata de “Língua e Identidade”. Pankararu, Taracatu, Maracatu, tipuri, tem som de Brasil. Já Overmundo, não sei. Gosto da proposta, mas ainda não embarquei.

  2. Se o país mais poderoso do mundo se arma até os pelos
    e o país mais populoooooooso se arma até a alma,
    não vejo saída senão fazer da música nossa melhor arma:
    brasil, o flautista de hamelin-mundo,
    na versão tambores, palmas e falas.
    produto de exportação.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s