anarquitetura I

blablablaOutro dia apareceu em casa um grupo de estudantes de Multimeios pedindo ajuda num trabalho da faculdade: precisavam fazer a análise de um capítulo do livro Hipertexto e Gêneros Digitais. Perguntei qual o capítulo e, claro, se haviam lido.

Seguiu-se aquela mistura de sins e nãos que foi fácil perceber: nem todos leram e quem leu não entendeu (… os textos do livro são prá lá de acadêmicos).😦

Engraçado que o grupo estava mais a fim de conversar sobre Anarquitetura da Informação. Tinham visto em meu perfil do orkut que era assim que eu me apresentava. Expliquei-lhes que se tratava mais de um estado de espírito do que de uma profissão, que não se ganha dinheiro com isso e que não se deve confiar demais no que se lê no orkut.

Mesmo assim, mostraram-se entusiasmados com o tema, em contraste com o baixo interesse pela análise do livro. Como sobrou-nos pouco tempo para expandir, trocar idéias e buscar exemplos sobre anarquitetura – a apropriação diferenciada e provocativa de espaços e recursos públicos -, fiquei de lhes enviar posteriormente algum material. Daí resolvi aproveitar e postar por aqui também.

tube train trapezeUma abordagem interessante é a de Nicholas Renshaw, do Space Hijackers: “anarquitetura é um meio pelo qual qualquer pessoa pode adaptar e ampliar o significado e essência de qualquer espaço”. Vide a mocinha ao lado usando a barra de apoio do trem para fazer malabarismo. Louca? claro que não, apenas quebrando regras, automatismos, visões estereotipadas, preguiçosas. Expandindo as possibilidades.

A anarquitetura não tem compromisso utilitarista. Ela visa criar mudanças mentais em determinadas áreas ou momentos, de forma a mostrar que as coisas sempre podem ser vistas ou usadas de modos diferenciados. É um estímulo à criatividade.

A arquitetura, como modo de visualizar e planejar espaços e fluxos, existe há mais tempo e de formas bem mais amplas do que a profissão e os cursos que carregam esse nome. A anarquitetura, espécie de spin contrário da arquitetura, às vezes nega, às vezes amplia suas fronteiras.

Voltarei ao tema mais vezes, com alguns exemplos. Por hora, se quiser, leia o texto completo de Nicholas Renshaw em português no site dos insurgentes e conheça  Anarchitecture Week, evento promovido em Londres, ano passado. Não é obrigatório entender.

Um pensamento sobre “anarquitetura I

  1. Pingback: fff

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s