cegocêntricos

Taí mais uma bela sacada de linguagem e chacoalhada no sentir-pensar que Mia Couto promove enquanto narra O Outro Pé da Sereia. No contexto da história é um modo de falar do outro, mas pode também fazer-nos refletir sobre nós mesmos. Não muito, para não virar encanação.

Como explica o barbeiro de Vila Longe, onde se desenrola a aventura da Sereia: “Somos todos parecidos, santos para viver, demônios para sobreviver”.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s