cosmic question list

Alguém se atreve?

shelfpendulum – What is Pattern?
– What is Time?
– What is Space? (includes what is matter?)
– What are Parallel Universes?
– What is Infinity?
– What are Humans? (includes our limitations and destiny)
– What is Mind?
– What is Life?
– What is the Afterlife?
– What is Love?
– What is Evil? (includes what is good?)
– What is Satan?
– What is God?

É só falar com o sr. Clifford A. Pickover

questão de lógica

Se os cursos de economia, jornalistas econômicos e todos nós, falássemos e aprendessemos mais sobre deseconomia, talvez pudessemos desalojar a economia de seu auto-outorgado trono de realeza e recolocá-la no lugar de “subsistema da finita biosfera que a suporta”.

Não é difícil entender que se a expansão da economia ultrapassa os limites do ecossistema que a rodeia, o crescimento começa a produzir mais “males” do que bens, ou seja, torna-se deseconômico. Podemos contastar no dia a dia: o modo dominante de ‘viver’ produz mais doentes, com sorrisos hipócritas, do que pessoas saudáveis, de sorrisos sinceros. Bom, isso nas minhas medidas.

O texto “A ciência económica num mundo repleto“, publicado na resistir, dá uma boa introdução ao tema. Veja só esse trecho:

“Na microeconomia, as pessoas e as empresas percebem claramente quando devem cessar a expansão de uma atividade. Quando se expande, atinge um ponto em que ocupa o lugar de outros empreendimentos, e essa substituição é contabilizada como custo.

As pessoas param no ponto em que o custo marginal é igualado pelo benefício marginal. Ou seja, não vale a pena gastar um dólar a mais num gelado quando esse dá menos satisfação do que o equivalente a um dólar de outra coisa. A macroeconomia, porém, não dispõe de uma regra análoga que avise “a hora de parar”.

Como a manutenção de uma economia sustentável repousa numa enorme mudança racional e emocional por parte de técnicos, políticos e eleitores, poderíamos ser tentados a afirmar que tal projeto é impossível.

Mas a alternativa a uma economia sustentável – manter o crescimento permanente – é biofisicamente impossível. Ao escolher entre enfrentar uma impossibilidade política e uma impossibilidade biofísica, eu escolheria a primeira opção.”

Somos dois. 😉

coca na merenda

Publicada em Amazonia Hoje, do jornal paraense O Liberal:

O chanceler boliviano, David Choquehuanca, elogiou ontem os ‘benefícios da coca’ e defendeu seu uso na alimentação escolar em substituição ao leite e às frutas distribuídas diariamente aos estudantes do país. ‘Nossos filhos precisam de cálcio, e a folha de coca tem mais cálcio do que o leite. Nossos filhos precisam de fósforo, e a folha de coca tem mais fósforo do que o peixe, segundo pesquisas feitas pela Universidade Harvard’, argumentou o chanceler. Realizado em 1975, o estudo norte-americano citado pelo ministro afirma que 100 gramas da coca boliviana são mais do que suficientes para suprir as necessidades diárias de cálcio, ferro, fósforo, vitamina A e riboflavina (componente da vitamina B).

O ex-ministro de Educação e senador oposicionista, Tito Hoz de Vila, criticou a proposta: ‘Os pobres alunos estariam totalmente adormecidos em vez de estar alertas estudando’.